domingo, 25 de janeiro de 2009

trecho

Os ruídos da casa ficaram altos e não se disfarçavam mais de alucinações noturnas. Lutava contra a cama morna que lhe aconchegava pela manhã. De olhos fechados e pijama sereno, regulou o chuveiro à temperatura do último sonho. Escolheu no rádio a música do banho e, após alguns segundos de cabelo encharcado, o infortúnio já naquela primeira hora: a Voz do Brasil. Escolher às 7h40min: tomar banho ao som de algo que lembrava tanta falta de escolha ou transformar o chão do banheiro em aguaceiro para alcançar o aparelho. Secar-se jamais! A toalha já rala deveria ter a dignidade mínima de recebê-la seca ao fim. Tomou um banho covarde com notícias de Brasília. Tomou um banho mudo, descontente com o final.

2 comentários:

Carol disse...

eu, contente com o final. muito contente.

Donnassolo Beschi disse...

pô, agora a menina do chuveiro tb ficou, bagunçou todo o final...