quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Aconteceu II


Raimundo e Joaquina tiveram João Amélio Noguez, figura que rouba a cena na contação de histórias. É descrito como alguém à frente do seu tempo. Lembrado como um autodidata, foi advogado e jornalista - dono do primeiro jornal de Pinheiro Machado. Também teve uma padaria e uma farmácia, desenvolvendo um tônico fortificante que lhe rendeu viagens de navio pelo litoral brasileiro destinadas à venda da invenção. A empreitada, no entanto, se desdobrou em prejuízos financeiros.

João Amélio tinha uma noiva e ia a Pinheiro Machado fazer compras para o casamento, quando avistou Amália Gusmão Dias atrás do balcão. Amália trabalhava nessa loja/armazém de sua família, onde João Amélio fazia as compras do enxoval, e, em dois meses, uma viraçao fez com que João Amélio Noguez rompesse com a noivinha e esposasse decidida e apaixonadamente Amália. O pai da noiva abandonada queria matá-lo, claro. Não conseguiu, então Amélio e Amália tiveram 18 filhos para celebrar a vida (de certo).

João Amélio tinha o costume de sempre visitar o compadre depois do almoço. Curiosamente, o compadre nunca estava em casa… João Amélio morreu extasiado nos braços da comadre Isabel, mulher muito bonita, que, ciente do escândalo que a morte poderia denunciar às famílias e à sociedade de Pinheiro Machado, recorreu aos amigos de Amélio, que o levaram à barbearia de um de seus amigos; o puseram na cadeira e aí estava criada a lenda: por algum tempo as mulheres da família não permitiam que seus homens fizessem a barba logo após o almoço, o risco dessa morte tinha, então, evidências empíricas. Amélia, ao saber da morte do esposo, tentou suicídio se jogando na caçambinha (poço). Note que Pinheiro Machado teve esse nome imposto muito a contragosto de seu povo, na década de 20, após um de seus cidadãos ter assassinado um senador no Rio de Janeiro que levava esse nome, algo como uma medida reparadora. Antes do evento, Pinheiro Machado se chamava Nossa Senhora das Caçambinhas, pois naquelas águas se curou da cegueira um viajante que por ali passava a caminho de Pelotas. Resta saber se Amália recorreu à caçambinha porque se viu sozinha, sem seu amor, com 18 filhos para criar, ou porque também ela se curou da cegueira.

5 comentários:

alice disse...

um poço de emoções!

Peu Mané disse...

5 estrelas! dei risada aqui em Quito com os gringos mirando o louco feliz! haha espero que esta saga continue, ou pelo menos venham mais. & se vier livro, compro.
saludotes!

carilevi disse...

Existuje mnoho různých teorií o vzniku hudby. Vzhledem k tomu že na rozdíl od ostatních druhů umění se u hudby nelze příliš spolehnout na přímé důkazy, jsou tyto teorie nutně částečně spekulativní. Existují následující názory. Talvez tenha existido, nao sei.. beijos! muito bom!

carol disse...

100 años de Soledad, eso es.
Suena como García, Marquez. Tienes el cuento en tu vena, tía!

Super disse...

total 100 anos de solidao