quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

A Batata e a Menina

Menininha ao dormir
Coloca as mãos no coração
E a batatinha ao nascer
Fica só rolando em vão

Ladainha quando dita
Me dá sono, não tesão
Menininha troglodita
Usa salto e vai ao chão

Batatinha tá queimada
Muito tempo no fogão
Menininha com insônia
Se esparrama no colchão

Batatinha pega fogo
Agora é tarde, virou carvão
Menininha alucinada
Se descobre com a mão

6 comentários:

Super disse...

este é do arquivo, né?
;)

só espero que tu continue empolgada com o blog!
beijo enorme

Donnassolo Beschi disse...

olha há alguma chance, afinal, nao foi uma daquelas resoluçoes do tipo lomba da lucas :P

carilevi disse...

ta otimo!!
amei este poema!

alice disse...

lembro dessa.
ah isso é bem mais fácil de manter do que a lomba da lucas.

Carol disse...

como eh que tu nao me diz que tu tem um blog, hein hein hein?
agora te encontrei.
e te linkei.
esse da batatinha eh a tua cara.

paulinha disse...

só pra postar minha última fala na tua direção...
inaceitável eu não ter sido objeto conceptivo...
simplesmente inacreditável!
vai ter que caprichar muito no flerte, no romance, nas preliminares...